Advogado, comece a se comunicar!

26 de abril 2021

Adalberto Mansur - jornalista e diretor da ProImprensa Comunicação

Foto: Divulgação

Ao iniciar qualquer atividade voltada a produtos e serviços, a pessoa interessada em iniciar um negócio sólido ouvirá uma frase do tipo:

- Obrigatoriamente, você precisará consultar um advogado, um contabilista e um profissional de Comunicação.

Hoje, gostaria de abordar especificamente o Direito e a Comunicação Social.

De cara, sabemos que a atividade do advogado apresenta restrições quanto à divulgação. Porém, visões arcaicas desse processo geram paradigmas que devem ser revistos.

Podemos afirmar – isso sim, com certeza – que a sociedade precisa do advogado. Nas publicações empresariais, um tema recorrente é “a insegurança jurídica”. Análise das consequências da aplicação de uma lei sobre alugueis na pandemia gera engajamento.

É da Comunicação que transmite o papel institucional do advogado que estamos falando.  

“O conteúdo é rei” atualmente. A rotina do escritório em ações no Fórum ou análises preventivas gera conteúdo relevante. No Poder Judiciário e Ministério Público, manuais de atendimento à imprensa realçam a importância do diálogo. Perfis de desembargadores, juízes e promotores apresentam, nas redes sociais, o cotidiano de suas atividades, com os devidos cuidados.

Esse cenário resulta, em grande parte, da internet. O site “Diário da Justiça” representa muito bem essa tendência.

Como resultado, assessorias de Comunicação registram aumento na procura por profissionais do Direito. Isso é salutar. Primeiro porque combate um efeito colateral da informação fácil: a consulta ao “Dr. Google”. Questões jurídicas são uma das mais presentes nos buscadores, gerando, muitas vezes, distorções.

Para o profissional de Direito, costumamos dar algumas dicas pessoais e profissionais:

. Seja você! Numa entrevista para um site ou postagem, mostre-se o mais natural possível. Não precisa fazer dança no Tik-Tok, se dançar não for seu forte;

. Pense como você será entendido pelo público e cuidado com termos técnicos;

. Tenha posição, mas evite radicalização que prejudique a imagem profissional;

. De cara, defina a persona, que é a caracterização da pessoa que você quer impactar com a mensagem ou o perfil dos ouvintes de uma rádio na qual você será entrevistado;

. Avalie os canais de distribuição em função da persona. Há pessoas que usam só o Linkedin, ou apenas o Instagram. Seu texto publicado aqui no Diário merece ser compartilhado no perfil particular ou do escritório;

. O persona também qualifica seu público (cliques precisam virar resultados) e direciona impulsionamentos (reserve recursos para anúncios institucionais).

Além de estarem em consonância com a OAB, essas práticas devem ser sempre monitoradas por um profissional de Comunicação que planeje as ações, perceba oportunidades e interprete os resultados.

Então, prezado advogado, vamos começar?

Adalberto Mansur

Jornalista e diretor da ProImprensa Comunicação

Voltar