Orientação: documentos e práticas diante do coronavírus na empresa

01 de julho 2020

Prev-Med, parceira do Sincaf, tem orientado empresários, gestores e colaboradores

Foto: Divulgação

Trabalhadores da construção civil apresentam um diferencial em saúde. Têm maior resistência física, em razão da alimentação e de executarem tarefas que estão distantes do sedentarismo. Ao mesmo tempo, atuam parte do tempo em ambientes ventilados e nos quais bate sol.

Mas não é por isso que pode desrespeitar as práticas de prevenção ao coronavírus. A avaliação é do diretor da Prev-Med, Haroldo Rizzo. Parceira do Sincaf, a empresa que atua na área de Medicina do Trabalho tem orientado empresários, gestores e colaboradores quanto às medidas tomadas nesse período de pandemia.

Médicos do Trabalho estão relatando não apenas os infectados, mas também buscando informações sobre pessoas que estiveram próximas a esse infectado em casa e no trabalho.

"Apesar das recomendações, tudo ainda é muito novo, e não há receita de bolo. Por isso, respeitar ao máximo as medidas sanitárias é importante", afirma Haroldo.

Educação

Uso da máscara, a higienização das mãos e dos equipamentos de trabalho e o distanciamento mínimo de 2 metros entre os colaboradores são práticas adotadas. Evitar aglomerações é outra prática. Haroldo defende a educação constante pelo empregador.

"Muitas vezes, a mensagem não é entendida na primeira vez. Daí precisa ser repetida constantemente", declara. Num momento posterior, podem ocorrer medidas mais duras, como a punição.

"Estamos diante de um vírus mutante", alerta Haroldo. A Prev-Med realiza os dois tipos de exames para a detecção da presença do vírus – sorológico, com amostra de sangue, e o PCR. O último deles é mais assertivo- retirando amostras das narinas e garganta.

Transmissão

"O cuidado deve ser permanente, pois, havendo a contaminação, a chance de transmissão é grande, independente do tipo de ambiente. Já há casos de empresas interditadas", alerta. O fato de grande parte dos casos ser assintomático também traz preocupação.

Diante de qualquer sintoma gripal, como dor de cabeça e falta de ar, deve-se buscar a ajuda médica. "Há pessoas que, por exemplo, têm uma dor de cabeça rotineira. Nos dias atuais, caso o sintoma apareça, deve-se procurar atendimento imediatamente", aconselha.

No caso dos testes, o resultado sai em 2 ou 3 dias. Positivado, o colaborador deve ser afastado por pelo menos 14 dias e acompanhado por um médico. Passado o prazo, faz-se novo teste.

Surge ainda a figura do contatante. "Chamamos de contatante a pessoa que tem contato com algum paciente de Covid, 2 dias antes do início dos sintomas ou nos 14 dias após o início. Diante da suspeita, ele também deve ser afastado do trabalho presencial e ter acompanhamento médico", relata.

Serviço

Em caso de necessidade a PREV-MED se coloca à disposição de todos do Sincaf.

Telefone: (19) 3404-9232

E-mail prev.agendamento@terra.com.br

Endereço - Rua Presidente Humberto Alencar Castelo Branco, 383 - Jd. Mercedes - Limeira, proximo ao Sincaf, Senai e vizinho da Delegacia da Mulher.

A Prev-Med realiza os Programas de Segurança e Medicina do Trabalho, Exames Toxicológicos para Motoristas, Treinamentos e exames para identificação da Covid-19. Também é sócia do Siplasa, um sistema planejado de saúde, que inclui o Homecard, ocupando todo o quinto andar do Shopping Pátio para a realização de exames de todas as especialidades, podendo ser estendido as pessoas que fizerem a adesão.

Confira os documentos

Haroldo disponibilizou aos associados do Sincaf modelos de documentos. As portarias 356 e 454, do Ministério da Saúde, orientam como devem ser preenchidos os termos sobre necessidade de isolamento – clique aqui e aqui.

Um guia prático sobre a Covid-19 orienta a atuação dos médicos do trabalho – veja aqui.

A associação nacional desses mesmos médicos faz outras recomendações – veja aqui.

O Ministério Público do Trabalho também se manifestou sobre os atestados emitidos aos colaboradores e como as empresas devem agir diante do documento – clique aqui.

Ainda sobre atestados, veja orientação do Conselho Federal de Medicina – entre aqui.

Voltar